27 de jan de 2016

"Me empurra que eu ando" traz inclusão para o carnaval




O Carnaval de Niterói começa no sábado, dia 30/01, para os integrantes do bloco “Me Empurra que Eu Ando”. 


Com mais de 100 componentes, somados aos integrantes da bateria da Viradouro, que promete agitar o carnaval com um banho de inclusão. 


A concentração do bloco vai se reunir, às 17h, em frente à Clinica Topfisio, na esquina das ruas Ministro Otavio Kelly com Cinco de Julho, em Icaraí, de onde sairá dando a volta no quarteirão, agregando cadeirantes, muletantes, andantes e simpatizantes.


Já é o oitavo ano consecutivo de desfile do grupo, que tem como madrinha e criadora, a cadeirante de 51 anos, Ana Lúcia de Souza Macedo, paciente da clínica Top Físio. 


Fisioterapeutas, médicos e pacientes da clínica, movidos pelas limitações que algumas pessoas têm em participar do carnaval, deram continuidade à criação do bloco. 


O fisioterapeuta da clínica Top Físio, Fernando Mello, de 45 anos se juntou à dona do estabelecimento Viviane, e à paciente paraplégica, Ana Lúcia, dando nome ao grupo de “Me empurra que eu ando”, devido à necessidade que alguns cadeirantes têm em serem empurrados para se locomover. 


Vários sambas são compostos por outra paciente da clínica, que tem duas próteses, uma em cada joelho, dona Wanda.


No dia do desfile, o bloco reúne centenas de pessoas, incluindo deficientes de todos os tipos e simpatizantes. 


A jornalista e coordenadora da Divisão de Acessibilidade e Inclusão-Sensibiliza UFF, Lucília Machado, já fez hidroginástica na clínica e vai participar novamente do bloco. “


É uma coisa legal de se ver. As pessoas se misturam. Eles conseguem agregar pessoas da cidade, com ou sem deficiência. Já esta se tornando uma tradição em Niterói. 


O pessoal da clínica é muito entrosado e participativo. É uma experiência muito válida, porque é uma forma de inclusão social”, contou Lucília.





 

Nenhum comentário:

Postar um comentário