31 de mar de 2014

Campinas (SP) elabora banco de emprego inédito para pessoas com deficiência

7 pessoas, uma em cadeira de rodas, estão em pé e olham para câmera


A Prefeitura de Campinas (SP) trabalha na criação de um banco regional de empregos direcionado a pessoas com deficiência


A iniciativa prevê a utilização da base de dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), que segundo o prefeito Jonas Donizette (PSB), autorizou no fim do mês passado o compartilhamento das informações para o projeto que é considerado pioneiro no Brasil.
 
A secretária municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Mobilidade Reduzida, Emannuelle Alkimin, explica que o banco virtual será completamente acessível e com os dados do MTE regionalizados, com profissionais e empresas da Região Metropolitana de Campinas. 


A Informática de Municípios Associados (IMA), empresa municipal de tecnologia, está responsável por avaliar as características técnicas do banco de dados do governo federal e as possibilidades para utilizá-lo dentro das ferramentas disponíveis para o município.
 
Tipo de deficiência
 

Segundo a secretária, além das informações básicas de currículo, o banco fornecerá às empresas o tipo de deficiência que o candidato à vaga tem. Segundo Emannuelle, a medida é uma atitude afirmativa diante da necessidade das empresas.
 
“As empresas têm necessidade de ter lucro e nós temos a necessidade que elas tenham lucro, inclusive, para poder ter um desenvolvimento econômico. Se eu tenho a necessidade de ter lucro, eu tenho um RH pressionado pela gestão para pegar deficiência leve, que dá menos trabalho. Isso é natural porque gestores estão preocupados com a entrega”, afirmou.
 
Emannuelle garantiu, no entanto, que as informações sobre os tipos de deficiência não serão priorizadas e tampouco abertas para acesso irrestrito. “Nós vamos ter filtros. Não vai ser disponível isso de forma pública e nem para todas as empresas. Porque nós vamos priorizar a demonstração do currículo. Senão, empresa escolhe só pela deficiência leve”, disse.
 
Parceria MTE
 

O acordo com o MTE foi firmado durante reunião do prefeito e da secretária direto com o ministro, Manoel Dias, e foi formalizado por meio de um ofício em que a Prefeitura se compromete a utilizar este banco de dados apenas como medida de curto prazo, com um trabalho focado em estabelecer políticas que viabilizem a unificação dos bancos de dados, sem distinção entre pessoas com ou sem deficiência.
 
“O Ministério Público do Trabalho se preocupa que a gente setorize e crie um espécie de gueto de pessoas com deficiência, o que não é interesse. O ministro só liberou [a utilização de dados para a criação do banco] porque nós só nos comprometemos que vamos começar assim, mas o nosso objetivo é que em dois ou três anos a gente consiga voltar para o banco geral, já de forma acessível”, contou a secretária, que é deficiente visual.
 
Banco
 

O presidente da IMA, Fábio Pagani, explicou que a empresa pretende elaborar um portal completamente acessível, para trabalhadores com todos os tipos de deficiência. 


A empresa aguarda informações do Ministério do Trabalho para iniciar a criação da plataforma de forma compatível com o banco federal. A Prefeitura evitou mencionar prazos.
 
O G1 entrou em contato com o Ministério do Trabalho e Emprego, mas a assessoria informou que não tinha informações sobre o acordo e não retornou até esta publicação.





Prefeitura do Rio de Janeiro implementa novo cartão de estacionamento para deficiente físico

vaga demarcada para pessoas com deficiência
A Prefeitura do Rio implantou novo cartão de estacionamento para deficiente físico com dificuldade de locomoção, que passa ser aceito em todo território nacional. 


Além disso, o novo cartão agora é válido por cinco anos (dois a mais do que o anterior) e não estará mais vinculado a uma placa de carro. 


Os cartões de estacionamento já emitidos permanecerão válidos até sua data de vencimento.


É obrigatório o uso do cartão de autorização de estacionamento em local visível no veículo emitido pela prefeitura para estacionar em uma das vagas destinadas exclusivamente a pessoas com deficiência que apresentam dificuldade de locomoção. 


O cartão é intransferível e o beneficiário precisa estar no veículo, como motorista ou carona, para o uso da vaga. Quem insistir em estacionar sem o cartão de autorização será multado. O valor da infração é de R$ 53,20.
 

A Resolução 2.466 foi publicada no Diário Oficial, no dia 20 de março, e a Secretaria Municipal de Transportes (SMTR) tem prazo de 60 dias para começar a conceder o novo cartão.
 

A Prefeitura do Rio concede o benefício, gratuitamente, para pessoas deficientes com dificuldade de locomoção e para idosos. O cidadão pode requerer o cartão em um dos postos da SMTR, apresentando os documentos necessários relacionados abaixo.
 

Pessoas com deficiência que apresentam dificuldade de locomoção: requerimento encaminhado ao (a) Coordenador(a) da Coordenadoria de Regulamentação e Infrações Viárias – CRV, da Secretaria Municipal de Transportes; atestado médico original, constando o tipo e o grau de deficiência e se a mesma compromete a locomoção, assinado por profissional registrado no Conselho Regional de Medicina; cópia de comprovante de residência; cópia da Carteira de Identidade e do CPF. No caso da pessoa com deficiência ter idade inferior a 18 anos, deverão ser apresentados os documentos dos pais ou responsáveis.
 

Idosos: requerimento padrão; comprovante de residência do requerente (cópia); Carteira Nacional de Habilitação - CNH - em nome do idoso (cópia) e Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo – CRLV somente na categoria particular, do exercício vigente ou imediatamente anterior, em nome do idoso (cópia). O cartão é válido por 5 anos.
 
 
Onde requerer os cartões:

 
Centro:
Rua do Riachuelo, 257 - Térreo.
Horário: 9h às 16h.

 
Santa Cruz (XIX R.A.):
Rua Fernanda, nº 155 - Sala 08.
Horário: 9h às 16h.

 
Engenho Novo (XIII R.A.):
Rua 24 de Maio, 931 - Fundos
Horário: 9h às 16h.

 
Barra da Tijuca (Subprefeitura da Barra):
Av. Ayrton Senna, 2001
Horário: 9h às 16h.

 
Leblon (VI R.A.):
Av. Bartolomeu Mitre, 1297
Horário: 9h às 16h.

 
Vila Isabel (IX R.A.):
Rua Visconde de Santa Isabel, 34
Horário: 9h às 16h.

 
Illha do Governador (Perto do Ilha Plaza):
Rua Orçadas, 435, sala 7 - Acesso pela Rua Escritora Eneida de Moraes, ao lado do Ilha Plaza.
Horário: 9h às 16h.

Campo Grande (XVIII R.A.):
Rua Dom Pedrito, 1
Horário: 9h às 16h.

 
Bangu (XVII R.A.):
Rua Fonseca, 240 - 2° andar
Horário: 9h às 16h.

 
Irajá (Centro Administrativo Municipal - XIV R.A.):
Av. Monsenhor Félix, 512
Horário: 9h às 16h.




Rio Grande do Sul tem problemas de acessibilidade em 35% dos locais de votação

Urna eletrônica
 Em pleno ano de eleições, 35% dos locais de votação no Rio Grande do Sul não são acessíveis para eleitores deficientes físicos, com mobilidade reduzida e idosos com dificuldade de locomoção. 


Uma campanha, lançada nessa segunda-feira (24) pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), quer tentar mudar esse cenário.
 
O acordo foi assinado entre a instituição e a Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades (Faders). 


]Eleitores poderão pedir a troca do local de votação, caso tenham problemas para o deslocamento. A orientação do TRE é procurar o cartório eleitoral da cidade.
 
“Seja uma mobilidade reduzida, seja a questão da idade, ou seja uma deficiência, para que ele possa ser relotado nas sessões de mais acessibilidade. 


Nós já estamos mapeando no sentido de que sessões seriam possíveis que não tenham escadarias, enfim, a possibilidade do acesso fácil”, explica a desembargadora Elaine Macedo, presidente do TRE-RS.
 
O estado tem quase nove mil sessões eleitorais distribuídas em escolas e prédios públicos. Destas, mais de 3 mil apresentam problemas, de acordo com o levantamento.


“Nós temos conhecimento de pessoas em Gravataí que abriram mão do seu direito de votar, por não ter acessibilidade na sua zona eleitoral, no seu local de votação. 


Hoje, nós estamos aqui para reverter essa situação”, destaca a assessora de Políticas para Pessoas com Deficiência da cidade da Região Metropolitana, Patrícia Lisboa.
 
A campanha "Acesse o seu Direito" vai até o dia 7 de maio, quando encerra o período para cadastramento eleitoral. Hoje, há cerca de 15 mil eleitores com deficiência no Rio Grande do Sul.





Novo CPC contém normas de acessibilidade e regula a justiça gratuita

estátua que representa a justiça
Os princípios de acessibilidade estão presentes no novo Código de Processo Civil (CPC - PL 8046/10), aprovado pelo Plenário da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (26), que garante às pessoas com deficiência o acesso a sistemas adaptados que permitam a sua participação nas ações judiciais.
 
O relator do projeto, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), ressaltou que a Justiça terá de se adaptar. 


“Os meios eletrônicos e a própria Justiça terão de se adaptar à pessoa com deficiência para permitir que essas pessoas possam ter um igual tratamento”, disse.
 

Interdição judicial
 

As pessoas com deficiência também ganham direitos no processo de interdição judicial, que transfere para outros o poder de administrar bens e direitos de pessoas que forem consideradas incapazes de tomar decisões.


O processo de interdição será mais humanizado, já que deverá respeitar as vontades e habilidades da pessoa com deficiência. A proposta também deixa claro que a interdição pode ser parcial, ou seja, se restringir apenas à administração de bens ou à limitação de um ou outro direito.


O projeto dá às entidades o poder de pedir a interdição de pessoas sob sua responsabilidade, com o objetivo de beneficiar pessoas abandonadas em asilos e clínicas de reabilitação que, por falta de responsáveis legais, não têm como reivindicar direitos.
 

Justiça gratuita
 

A Câmara também incluiu no novo Código de Processo Civil a regulamentação da gratuidade assegurada a quem não tem condição de arcar com custas judiciais. 


O advogado Fredie Didier, integrante da comissão de juristas que assessorou o relator, explicou que a intenção foi resolver questionamentos da lei de gratuidade da Justiça (Lei 1.065/50).


“A Câmara regulamentou o processo de obtenção da gratuidade da Justiça para resolver os problemas e, até mesmo, estender a gratuidade para questões extrajudiciais”, disse.
 


Fonte: Vida Mais Livre
 

28 de mar de 2014

Bailarina que perdeu a perna no atentado de Boston volta a dançar

Adrianne faz apresentação de dança junto com homem

 
 A bailarina Adrianne Haslet-Davis, 33, era uma das milhares de participantes da Maratona de Boston, em 15 de abril de 2013, quando duas bombas foram detonadas próximas à linha de chegada. 


O impacto e a explosão custaram lhe uma parte da perna esquerda e, naquele momento, sua paixão pela dança. O atentado deixou três pessoas mortas e cerca de 264 feridas.
 

Quase um ano depois do trauma, no entanto, seu sonho de voltar a dançar virou realidade, com uma grande ajuda da tecnologia. Adrianne, profissional da dança de salão, foi escolhida para ganhar uma perna biônica feita especialmente para ela, e com especificações que a permitem se movimentar o suficiente para retomar a carreira.
 
A prótese foi apresentada na quarta-feira (19), quando ela voltou a subir num palco pela primeira vez desde o atentado durante a conferência da fundação sem fins lucrativos TED, em Vancouver (Canadá). 


Por alguns poucos minutos, ela bailou ao som de uma rumba, estilo cubano, sem esconder a emoção e as lágrimas.
 
Adrianne foi apresentada por Hugh Herr, diretor de biomecânica da fundação TED. Ele lançou uma pesquisa que tomou 200 dias estudando as dinâmicas da dança – como os dançarinos se movimentam e onde a força é aplicada enquanto o fazem. Os resultados foram aplicados na prótese dada à norte-americana.
 
"Em 3,5 segundos os criminosos tiraram Adrianne do salão de dança. Em 200 dias, a colocamos de volta", discursou Herr, ele próprio um biamputado após um acidente de escalada nos anos 1980.
 
O ataque
 

"Espera aí, meu pé está doendo." Foi isso que a dançarina disse assim que percebeu que estava ferida instantes após a explosão.


Ela e seu marido Adam Davis, um soldado da Força Aérea dos EUA que havia acabado de voltar do Afeganistão, estavam assistindo à competição próximos à linha de chegada.


Em entrevista ao canal de TV ABC Adrianne afirmou que não percebeu instantaneamente que foi ferida. "Não senti o calor da bomba. Apenas senti o ar se deslocando e, por isso, caí no chão", contou.
 

Julgamento
 

O julgamento de Dzhokhar Tsarnaev, acusado de ser responsável junto a seu irmão pelo duplo atentado que deixou três mortos durante a maratona de Boston em 2013, começou em 3 de novembro.





Turismo acessível rende prêmio internacional a Socorro (SP)

Pessoa em cadeira de rodas diferenciada é conduzida dentro de mata


Considerado um polo de turismo de aventura no Brasil, a cidade de Socorro, a 132 quilômetros de São Paulo, vai receber no próximo dia 1º de abril, o Prêmio Rainha Sofia de Acessibilidade, outorgado pelo Conselho Real para Deficiência, do governo espanhol, em parceria com a Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (AECID) e a Fundação ACS, que visa a promoção e o desenvolvimento de atividades culturais e artísticas. 


A cerimônia será realizada no Palácio Zarzuela e terá a presença da rainha Sofia. O valor do prêmio é de aproximadamente R$ 50 mil.


“É o reconhecimento internacional de um trabalho realizado em parceria com o Ministério do Turismo”, disse o secretário de Turismo e Cultura, Acácio Zavanella, lembrando que a inscrição da cidade para concorrer ao Prêmio Rainha Sofia foi incentivado pelo MTur. 


O Brasil tem pelo menos 25 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência, de acordo com o IBGE. Nos últimos anos, o ministério investiu cerca de R$ 2,2 milhões em obras de infraestrutura para a cidade.


O esforço de adaptação tornou a cidade um dos dez Destinos Referência em Segmentos Turísticos do Ministério do Turismo. 


Atualmente, quase 100% dos hotéis estão adaptados para os mais variados tipos de deficiência, assim como bares e restaurantes, que já apresentam cardápios em braile. 


Até os telefones públicos estão adaptados para pessoas com deficiência auditiva. Entre as mais de 20 atividades de aventura oferecidas em Socorro, dez já foram adaptadas e podem ser praticadas até mesmo por cadeirantes.


A proposta de inclusão teve início com as atividades de aventura, em 2005, mas se expandiu para os serviços urbanos, públicos e privados. 


No Horto Municipal, por exemplo, existe um jardim aromático contemplando sinalização tátil (pisos alerta e direcional, mapas táteis e placas em braille) para deficientes visuais, rampas de acesso, além de banheiros adaptados.


Socorro também segue a linha do turismo sustentável. Parte dos hotéis e pousadas usam energia solar para aquecimento dos chuveiros. Programas de reflorestamento compensam os danos causados pela exploração agropecuária. 


 Há ainda projetos de educação ambiental e envolvimento da comunidade nas atividades turísticas com produção de artesanato local.





Parque Carlos Botelho possui trilha acessível para pessoas com deficiência

Foto da entrada do Parque Carlos Botelho


Para quem deseja conhecer ou simplesmente se aproximar mais da natureza, o Parque Estadual Carlos Botelho (PECB) é uma boa alternativa. 


Localizado na região sudeste do Estado de São Paulo, ele possui áreas remanescentes da Mata Atlântica e abrange os municípios de São Miguel Arcanjo, Capão Bonito e Sete Barras.
 
Com nove trilhas abertas ao público – leia-se com cachoeiras, mirante, rios e muita biodiversidade – uma das opções é a Trilha das Bromélias. No trajeto, além de diversas espécies de bromélias, há outro diferencial: o passeio é adaptado para pessoas com deficiência, idosos e crianças. Com um detalhe importante: monitores especializados.


Cada passeio, dependendo da trilha, varia de R$ 15 à R$ 25. A maioria deles necessita de agendamento prévio de cinco dias. Algumas opções, como a trilha da Estrada Parque, da Cachoeira do Travessão, e a do Rio Taquaral, são gratuitas.


No parque é possível encontrar várias espécies ameaçadas de extinção, caso da jacutinga, da onça-pintada, da anta e, na flora, do palmito-juçara. Lá também está a maior parte da população de muriquis (Brachyteles arachnoides) existentes no Brasil, considerado o maior primata das Américas, e símbolo da unidade de conservação.


O parque se localiza na Rodovia SP-139, km 78,4 no Bairro do Abaitinga, em São Miguel Arcanjo. Fica aberto diariamente das 8h às 17h. 


Durante o horário de verão as trilhas monitoras estão abertas até às 16h. Afora esse período, funcionam até às 15h.  Outras informações pelo telefone (15) 3379-1477/ 3379-6031 ou através do site da unidade.





Rio quer facilitar acesso de deficientes aos polos gastronômicos

Vistas do alto, diversas pessoas formam o símbolo de acessibilidade
As secretarias de Desenvolvimento Econômico Solidário e da Pessoa com Deficiência do Rio de Janeiro estão criando através de uma regulamentação conjunta o Programa Polos Gastrostômicos Inclusivos


Trata-se de uma iniciativa para melhorar o acesso das pessoas com limitações físicas aos estabelecimentos inseridos no Programa Polos do Rio.
 
A resolução prevê a realização de Encontros de Sensibilização, que vão expor aos donos de restaurantes, participantes dos Polos, metres e gerentes dos estabelecimentos os benefícios de adesão ao Programa. 


Serão palestras sobre o conceito de acessibilidade física/espacial, materiais de comunicação visual, cardápios e outros conceitos importantes para o sucesso do empreendimento.
 
Numa segunda etapa, já para os restaurantes que aderirem ao Programa, haverá Encontros de Capacitação, onde serão apresentadas as características e necessidades de cada deficiência, simulações do dia a dia das pessoas com deficiência, além de orientação como melhor lidar com estas pessoas.
 
Por fim, nos Encontros de Orientação serão passadas as normas básicas de acessibilidade, com objetivo de desmistificar ao tema, mostrando alternativas nos espaços para o melhor atendimento à pessoa com deficiência. 


A inciativa foi muito bem recebida pelos Polos e dez deles já demonstraram interesse em participar do projeto, totalizando 136 estabelecimentos.






27 de mar de 2014

Após ajuda na web, fã deficiente de oito anos de idade conhecerá o Kiss

Isaac faz pose para foto


Um garotinho norte-americano muito fã do Kiss verá seu sonho se tornar realidade e conhecerá a banda graças à ajuda de diversos internautas.
 
Diagnosticado com Síndrome de Nager logo após seu nascimento, Isaac tem oito anos de idade e já foi submetido a uma traqueostomia (procedimento para permitir a chegada de ar aos pulmões), usa um tubo para conseguir se alimentar e, também por conta da doença, tem os braços mais curtos que o normal e problema no desenvolvimento dos dedos da mão.
 
"Quando ele nasceu, havia apenas 90 casos da doença registrados e apenas 24 sobreviventes", conta a mãe dele Natasha Miller, em entrevista à emissora da cidade de Hazard, no Kentucky, "WYMT-TV". 


Segundo ela, no sexto mês os médicos a recomendaram interromper a gravidez pois as chances de o feto nascer com uma anomalia eram enormes. Oito anos depois, Isaac segue firme e forte, tendo se tornado um grande fã do rock produzido nos anos 70.
 
A mãe conta que o pequeno descobriu esse tipo de som a partir de vídeos do YouTube, e se encantou, principalmente, pelo Kiss. 


"Desde então nossa vida tem sido festas de aniversário com o Kiss como tema, Kiss no Halloween, ele quer que tudo esteja sempre relacionado ao Kiss", contou Miller.
 
Poucos dias atrás ela descobriu que a banda se apresentará em Cincinnati, onde Isaac nasceu. 


"Fiquei muito feliz que as pessoas começaram a se dedicar e ajudar para que ele conseguisse ir ao show", disse. 


Um site de arrecadação de fundos para os ingressos foi criado e em menos de 24 horas eles já tinham atingido a quantia de US$ 1,3 mil, contando com a ajuda até do fã-clube oficial Kiss Army.


"Quando eu falei que já tínhamos o dinheiro suficiente para os ingressos, eles não quiseram interromper a arrecadação porque queriam que o Isaac andasse de limousine, ficasse em um bom hotel e tivesse uma camiseta de cada tipo", contou a mãe.


A turma ainda se esforçou para conseguir a atenção do próprio Kiss. E deu certo: uma das pessoas que trabalha diretamente com a banda entrou em contato com Natasha Miller dizendo que eles não precisariam se preocupar com mais nada porque a equipe se encarregaria de atender a Isaac e fazê-lo conhecer os ídolos Gene Simmons, Paul Stanley e os outros integrantes.


O show está marcado para o dia 15 de julho e integra a turnê conjunta do Kiss e do Def Leppard.




Estudo mostra que pessoas com síndrome de Down agregam valores às empresas

Homem com síndrome de Down está na frente de um computador
O Instituto Alana junto com a McKinsey & Company acabam de publicar um estudo mostrando o valor que os colaboradores com síndrome de Down podem agregar às organizações.
 



“Em vários países do mundo, há legislações específicas que tornam obrigatória para as empresas a contratação de pessoas com deficiência


De maneira geral, há um foco maior sobre os desafios da inclusão do que no real valor que essas pessoas podem agregar às organizações.
 
As empresas descobriram que essas pessoas podem agregar valor à “saúde organizacional” (habilidade de uma organização alinhar-se, executar e renovar-se mais rapidamente que seus concorrentes para sustentar um desempenho excepcional ao longo do tempo). 


Em particular, os colaboradores com síndrome de Down formam um caso interessante a ser investigado, já que possuem características que aumentam o desafio associado à inclusão, mas também trazem vantagens adicionais.


Existem benefícios mútuos no processo de inclusão de pessoas com síndrome de Down. Por um lado, essas pessoas ganham oportunidades de desenvolvimento e, assim, maior qualidade de vida. Por outro lado, as empresas têm sensíveis melhorias em sua saúde organizacional.”



Foto: turismoadaptado.wordpress.com
 




Jornada Cultural Acessibilidade e inclusão em espaços culturais


Nesta sexta-feira, dia 28, acontece a Jornada Cultural Acessibilidade e inclusão em espaços culturais, a primeira de uma série realizada pelo Centro de Memória Bunge a primeira do ciclo realizado pela Fundação Bunge e pelo Itaú Cultural em 2014.


 Acompanhe a transmissão simultânea do evento, a partir das 9h, clicando aqui.
 

Com Mara Gabrilli, do Instituto Mara Gabrilli; Carlos Ferrari, da Associação para Valorização de Pessoas com Deficiência (Avape); Edson Defendi e Juliane Rega, ambos da Fundação Dorina Nowill para Cegos, a palestra gira em torno de um tema que ao longo das últimas décadas tem despertado a atenção no Brasil: a inclusão socil de pessoas com deficiência.  


No campo da arte e da cultura, em particular, museus, bibliotecas, teatros, cinemas e demais espaços culturais acessíveis a todos ainda são exceção – o que torna ainda mais relevante promover as iniciativas bem-sucedidas, como estímulo à mobilização para democratização da arte e da cultura.




Araraquara (SP) inicia cadastramento de pessoas com deficiência

Diversos símbolos que representam pessoas com deficiência
A Prefeitura de Araraquara (SP) está realizando o cadastramento de pessoas com deficiência


O objetivo é ter um banco de dados com as informações sobre as dificuldades enfrentadas, para assim, discutir projetos que possam melhorar a vida dessas pessoas. 


O cadastro deve ser feito preferencialmente nos postos de saúde da cidade.  

A Assessora de Políticas para Pessoas com Deficiência, Márcia Lucas, informou que é um cadastro detalhado. “As informações devem ser reais para desenvolver novas formas de garantir os direitos das pessoas com deficiência”, explicou.
 
Para a professora Queli Borges, que tem uma leve deficiência na mão, o cadastro é de extrema importância. “A pessoa com deficiência vai poder conhecer melhor seus direitos”, falou. 


Queli lembrou que no começo da carreia foi muito difícil para entrar no mercado de trabalho. 


“Hoje a lei ajuda, mas as pessoas não conhecem totalmente seus direitos. Por isso devem ir atrás e procurar ter um conhecimento maior sobre isso para poder exigir”, contou.
 
Cadastramento
 

Além do posto de saúde, o cadastro pode ser realizado nas Unidades de Pronto-Atendimento (UPA) e na Assessoria de Políticas para Pessoas com Deficiência, que fica na Avenida Espanha, nº 551, no Centro.
 
A pessoa com deficiência deve levar o RG, CPF, comprovante de renda, carteira de trabalho, cartão do SUS e laudo médico com CID, para que possa ser informada a deficiência correta que a pessoa possui.




Pessoas com deficiência: Prefeitura inicia instalação de academia especial em São Roque

Cadeirante utiliza aparelho de ginástica adaptado
São Roque (SP) terá uma academia pública para pessoas com deficiência física nas próximas semanas. 


A novidade, que beneficiará pessoas com essa necessidade, começou a ser implantada nesta semana nas dependências do Estádio Municipal Quintino de Lima (Quintinão), no bairro Junqueira. 


Os equipamentos de musculação e ginástica são adaptados e ficarão ao ar livre. Os aparelhos são práticos, funcionais e seguros.


A academia foi um pedido especial do prefeito de São Roque, Daniel de Oliveira Costa à deputada estadual Rita Passos que adquiriu o equipamento junto ao Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência.


O governo já fez a entrega do material que está em processo de instalação. De acordo com a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, o uso dos equipamentos de musculação adaptados, contribui para melhorar a capacidade física, a postura, a mobilidade e independência e, ainda proporciona qualidade de vida a essas pessoas.


Para o prefeito de São Roque o benefício é mais um dentro do projeto voltado a essa necessidade. 


“Nós temos um compromisso e um dever muito grande com pessoas com deficiência e essa academia é um dos projetos que estamos levantando. Na cidade continuamos trabalhando vários aspectos para a acessibilidade, principalmente com relação a sinalização, espaço, adaptações e faremos muito mais. Vamos atrás de mais equipamentos e recursos também voltados para essas pessoas. Quero agradecer e deputada Rita Passos e ao Governo por essa parceria que tenho certeza que vai ajudar muitas pessoas e que possamos fazer ainda muito mais”, finaliza o prefeito Daniel.
 
O Departamento de Esportes de São Roque deve informar nos próximos dias a partir de quando os aparelhos estarão liberados. Nesse momento estão sendo adequados no local.




Projeto no Rio oferece fisioterapia para pessoas com dificuldade de locomoção

menino em cadeira de rodas sorri e segura uma bola
Pessoas que precisam de tratamento fisioterapêutico poderão recorrer a alguns centros de Referência da Pessoa com Deficiência do município do Rio de Janeiro, que funcionarão em horários alternativos para atender pessoas com dificuldade de locomoção


O projeto foi lançado em 22 de março pela Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos e começa a funcionar na próxima segunda-feira em Irajá, na zona norte do Rio.
 
"Estamos negociando, já em fase avançada, para levar o serviço também ao centro de Santa Cruz [na zona oeste]. A ideia é ter oito centros no projeto até o fim do ano", disse o secretário Pedro Fernandes. 


Ele adiantou que na semana que vem outro pólo vai ser inaugurado no Shopping Via Brasil, também em Irajá.


O atendimento ao público contará com uma equipe de dez fisioterapeutas e será nos horários de 17h30 a 22h30, durante a semana, e das 8h às 17h, no fim de semana, para não haver concorrência com o público tradicional dos centros, que funcionam de segunda a sexta das 8h às 17h.


O serviço será aberto a toda a população e deve beneficiar principalmente idosos e pessoas em recuperação de acidentes. 


A previsão é que mil atendimentos sejam realizados por mês. Será feito um cadastro dos moradores do entorno e, quem tiver dificuldades de locomoção, poderá ser transportado por um carro do projeto.





Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência tem 118 vagas que na região de Sorocaba (SP)

Mulher em cadeira de rodas está usando mesa de escritório e computador


O programa Emprega São Paulo/Mais Emprego, agência de empregos pública e gratuita está com 118 vagas que podem ser preenchidas por pessoas com deficiência, em Sorocaba (SP)


Para ter acesso às vagas basta acessar o site e criar login, senha e informar os dados solicitados.
 
Outra opção é comparecer a um Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) com RG, CPF, PIS, Carteira de Trabalho, laudo médico com o Código Internacional de Doenças (CID) e Audiometria (no caso de deficiência auditiva)


Quem não tiver o laudo será orientado no próprio PAT sobre como proceder para conseguir a documentação exigida. O candidato pode comparecer na sede do PADEF, localizado, na Rua Boa Vista, 170 - 1° andar.


O cadastramento do empregador também poderá ser feito através do site do Emprega São Paulo ou PAT. Para disponibilizar vagas através do sistema, é necessária a apresentação do CNPJ da empresa, razão social, endereço e o nome do solicitante.
 

PADEF
 

O Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência (PADEF) foi criado em 1995 e já inseriu mais de 13,5 mil pessoas com deficiência no mercado de trabalho.
 
O PADEF oferece avaliação de perfil profissional, orientação quanto ao laudo médico e as exigências do mercado de trabalho, encaminhamento para cursos e/ou vagas disponíveis, emissão de carteira de trabalho e habilitação do seguro-desemprego e divulgação de oportunidades de emprego.





Brasil participa da primeira edição dos Jogos Para-Sulamericanos, na próxima semana

Delegação brasileira faz pose para foto


O Brasil está pronto para participar dos Jogos Para-Sulamericanos. A competição acontece em Santiago, Chile, de 27 a 31 de março, no Centro de Treinamento de Alto Rendimento do Estádio Nacional do Chile. 


Com uma delegação composta por 81 atletas, o principal objetivo é observar talentos que possam brilhar em importantes competições como os Jogos Paralímpicos Rio-2016.
 
Esta é a primeira edição da competição sul-americana em âmbito paralímpico, que além do Brasil terá a participação de mais oito países: Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela. 


Eles disputarão sete modalidades: atletismo, basquete em cadeira de rodas, bocha, halterofilismo, natação, tênis de mesa e tênis em cadeira de rodas.
 
Para os atletas do basquete, a disputa do Para-Sulamericano vai além das medalhas de ouro, prata e bronze e vale vaga para os quatro primeiros nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto-2015.
 
Atletismo e natação são as modalidades com o maior número de competidores brasileiros, com 18 em cada uma. 


Eles fazem parte da seleção de jovens, e apesar da pouca idade, muito deles já mostraram valor, como Lorena Spoladore (atletismo T11, cego total), campeã mundial no salto em distância em Lyon-2013; Verônica Hipólito (atletismo T38, paralisia cerebral), campeã mundial nos 200m e prata nos 100m em Lyon-2013, e Lucas Mozela (natação S9), com cinco ouros e um bronze nos Jogos Parapan-Americanos Juvenis, também em 2013, na Argentina.


Além das jovens revelações que buscam o seu espaço, atletas consagrados como o campeão paralímpico em Londres-2012, Maciel Santos, da bocha, também competirá no Chile.


A estreia brasileira na competição será no dia 26 com o basquete em cadeira de rodas e o halterofilismo.
 

Foto: Washington Alves (CPB)



25 de mar de 2014

São José dos Campos abre inscrição para curso gratuito de libras

 


A Prefeitura de São José do Campos (SP) abre nesta segunda-feira (24) as inscrições para o curso de Libras (Língua Brasileira de Sinais)


São 50 vagas, que serão preenchidas por ordem de prioridade: pessoas com deficiência e seus familiares; servidores públicos; membros de entidades que atendam pessoas com deficiência e moradores em geral.
 
Os interessados devem se inscrever até o dia 29 pelo telefone 156 e o critério de seleção seguirá a ordem de preferência e a ordem das inscrições. 


As aulas terão início em abril, com duração de 40 horas-aula, incluindo atividades em sala e extraclasse. No conteúdo da formação, serão aplicados conhecimentos sobre as estruturas gramaticais, o vocabulário inicial e a cultura surda sinalizada.


A turma será dividida em dois grupos, com aulas às terças-feiras, das 18h30 às 21h30, para o primeiro grupo e às quintas-feiras, das 18h30 às 21h30, para o segundo. 


As aulas serão ministradas na sede da Secretaria de Promoção da Cidadania, que fica na Rua Aurora Pinto da Cunha, n° 131, no Jardim América.





Municípios paulistas recebem incentivo para implementar Plano Municipal de Acessibilidade

dade...


A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo iniciou campanha junto aos municípios paulistas para subsidiar implementação de iniciativas voltadas à acessibilidade e mobilidade urbana. Para tanto, está enviando aos gestores municipais um modelo de Plano Municipal de Acessibilidade.
 
A campanha toma por base a Política Nacional de Mobilidade Urbana, Lei federal nº 12.587, de janeiro de 2012, bem como a legislação vigente sobre acessibilidade, mais especificamente as leis federais n° 10.048 e 10.098, de 2000, e o Decreto federal nº 5.296, de 2004.
 
O modelo de Plano Municipal de Acessibilidade aborda as questões fundamentais referentes ao tema, cabendo aos gestores municipais detalhar os pontos apresentados e, principalmente, traçar um plano de metas para o acompanhamento das ações a serem empreendidas.
 
Acessibilidade e mobilidade urbana é também tema deste ano da Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania.
 



Mudanças garantem mais acessibilidade no IOS 7.1

foto da tela de acessibilidade do IOS 7.1
Além de compatibilidade com o novo sistema CarPlay e algumas mudanças na interface, a Apple dedicou atenção a vários recursos de acessibilidade no iOS 7.1


Embora a maioria deles seja voltado a usuários com pouca visão, o sistema também traz recursos para os usuários cegos e aqueles que tem dificuldades motoras.
 

Para os deficientes visuais
 
 
No geral, o iOS 7 tem sido um desafio para os usuários com pouca visão. Muitas das escolhas de estilo, como as transparências, baixo contraste e falta de botões claramente definidos dificultam a interação com o sistema. 


E isso se torna um desafio ainda maior se levarmos em conta que a visão é variável: o que funciona bem para um usuário pode não funcionar com o outro.
 

A Apple começou a resolver isso adicionando opções para mostrar o contorno dos botões, mais opções e contraste e ampliando alguns dos recursos já existentes em Ajustes > Geral > Acessibilidade. No geral este é um passo importante na direção certa, mas ainda há muito o que fazer.

 
Várias das mudanças são voltadas a deficientes visuais
 

Um problema ainda sem solução é a falta de consistência no teclado do iOS. Como ele pode ser claro ou escuro, dependendo do app ou da situação, encontrar a combinação perfeita de ajustes para pouca visão que funcionem para qualquer usuário é um exercício em meio-termos.
 
O fato de que muitos recursos de acessibilidade agora podem ser ativados ou desativados usando o Siri ajuda um pouco, mas mesmo assim os usuários podem não encontrar o ajuste perfeito para as suas necessidades. Uma opção de acessibilidade para definir um esquema de cores estático para o teclado seria um grande passo rumo à solução deste problema.
 
Os vários ajustes interagem entre si de diferentes formas, e por causa disso os usuários com pouca visão devem experimentar diferentes combinações para encontrar a que funciona melhor. Esperamos que a Apple continue neste caminho e expanda o número de opções para ajudar o maior número de usuários possível.
 
Mudanças no VoiceOver
 
 
O VoiceOver, a tecnologia de leitura de tela da Apple que lhe diz o que está na tela e ajuda a navegar por ela, também sofreu algumas mudanças, embora em sua maioria elas sejam correções de bugs e pequenos ajustes para melhorar a experiência como um todo. Por exemplo, apps que foram recentemente atualizados anunciam isto quando seu ícone é tocado. 


A barra de endereços do Safari pode falar a URL sem que você tenha que tocar para editá-la. O VoiceOver se comporta melhor quando há outro áudio tocando e a qualidade de algumas das vozes foi ligeiramente melhorada.

 
Usando a câmera como um controle
 

O iOS 7 já tinha um recurso de acessibilidade chamado Switch Controle que permitia aos usuários com dificuldades motoras controlar o aparelho usando um dispositivo externo, conectado via Bluetooth por exemplo. 


A novidade no iOS 7.1 é a capacidade de usar a câmera do aparelho como um controle. Toque em Ajustes > Geral > Acessibilidade > Controle Assistivo e então em Controles. Toque em Adicionar Novo Controle… e você verá a opção Câmera.
 
Toque nas opções Cabeça à Esquerda ou Cabeça à Direita e você verá vários comandos possíveis incluindo Tocar, Botão Início, Central de Notificações, Siri e controles de volume. Ou seja, ligando o Controle Assistivo você pode usar movimentos da cabeça, detectados pela câmera frontal, para enviar comandos ao seu aparelho.
 
Isso expande o número de usuários com dificuldades motoras que podem começar a usar imediatamente um dispositivo iOS assim que ele sai da caixa, já que não exige que hardware extra seja conectado a ele.
 
Há mais por vir
 

A Apple fez grande progresso na acessibilidade no iOS 7.1, mas ainda há alguns bugs. Está claro que os usuários com pouca visão foram o foco desta vez, mas ainda há trabalho a ser feito. Temos certeza de que veremos ainda mais melhorias e recursos no iOS 8.
 

Fonte: Macworld