19 de dez de 2012

Projeto brasileiro para cadeirantes vence concurso do Google

Eduardo Battiston


É muito comum as pessoas acharem que ativistas advogam em causa própria. Defende a descriminalização das drogas? Maconheiro. Acha que pessoas do mesmo sexo podem casar se quiserem? Só pode ser homossexual. Pois é, mas a Humanidade é bem menos óbvia que isso. Ainda bem. 

O vencedor do Google Creative Sandbox é o exemplo perfeito dessa falta de obviedade. Eduardo Battiston, o cara da foto aí de cima, criou um projeto que vai facilitar a vida dos cadeirantes da cidade de São Paulo. Ele não tem dificuldades para se locomover – sua ideia foi inspirada nos problemas dos outros.


Batizada de Acessibility View, a ideia é criar uma espécie de Google Street View para cadeirantes. Tudo seria mapeado a partir do ponto de vista de quem depende de uma cadeira de rodas para ir de um lugar ao outro: pontos críticos, as melhores vias e assim por diante. 

Em outubro de 2012, a GALILEU conversou com Eduardo, quando seu projeto era apenas um dos finalistas. Confira abaixo a entrevista e entenda porque o Acessibility View foi o eleito, entre os mais de 4.500 concorrentes, para receber 35 mil reais de incentivo do Google.

 
Para se inscrever no Creative Sandbox, bastava a pessoa enviar uma ideia que respondesse a seguinte pergunta “Como usar criatividade e tecnologia para melhorar a vida das pessoas?” A única regra é que algum produto do Google tinha que estar no centro da concepção do projeto. No caso da grande vencedora, foi o Google Maps. A prêmio foi dado por um grupo de jurados composto, basicamente, por publicitários.

 
O que te inspirou a criar o Acessbility View?

 
Eduardo Battiston: Sempre fui muito sensível em relação ao problema da acessibilidade, principalmente depois de conhecer a realidade das crianças da AACD. Em 2009 tive o prazer de fazer junto com eles um projeto muito bonito: o Unique Types, no qual convidamos designers do mundo inteiro para criar tipografias inspiradas nas crianças atendidas pela entidade.

 
Se você tivesse que explicar como o Acessibility View funciona na prática, para alguém que nunca ouviu falar dele: o que você diria?

 
Eduardo Battiston: A ideia é ajudar os cadeirantes a escolherem as melhores rotas para seus trajetos e, também, sensibilizar as autoridades para fazer a manutenção e as adaptações necessárias. Afinal, ajudar essas pessoas a se locomoverem pelas cidades ajuda na sua inserção na sociedade e, por que não, no mercado de trabalho.



O objetivo do Acessibility View é fazer as pessoas sentirem na pele como é difcíl para um cadeirante se locomover por conta própria?

 
Eduardo Battiston: Esse é apenas um dos objetivos. O objetivo principal é ajudar as pessoas com necessidades especiais a se locomoverem com maior facilidade, levando em conta os obstáculos – muitas vezes intransponíveis – que seus trajetos apresentam. Mas claro que, ao acessar o Accessibility View, uma pessoa sem necessidades especiais vai poder ver – em primeira pessoa – como cada pequeno obstáculo pode impactar a qualidade de vida de um cadeirante.

 
Existe algum tipo de obstáculo que a maioria das pessoas nem se dá conta de que atrapalha a movimentação de um cadeirante? Estamos condicionados a pensar que uma rampa basta. É só isso mesmo?

 
Eduardo Battiston: Amigos cadeirantes reclamam bastante da quantidade de buracos das calçadas e da falta de padronização das mesmas. Além disso, as rampas – quando existem – muitas vezes contam com uma inclinação exagerada, o que impossibilita o acesso dos cadeirantes sem a ajuda de terceiros.

 
Você mora em São Paulo, certo? Qual a pior região, o pior trecho para um cadeirante aqui?

 
Eduardo Battiston: Sou paulistano e atualmente moro em São Paulo. Se nos bairros mais centrais a manutenção das calçadas já deixa bastante a desejar, imagine nas periferias onde a própria topografia muitas vezes não favorece a mobilidade. Mesmo nos bairros mais urbanizados, temos problemas como faixas de pedestres esburacadas, calçadas inclinadas e rampas defeituosas.
 Acredito que a acessibilidade na nossa cidade melhorou muito nos últimos anos, mas ainda temos muito trabalho nessa área. Espero que essa ideia possa contribuir para que a cidade seja cada vez mais acessível, proporcionando lazer, educação, cultura e diversão para as milhares de pessoas com necessidades especiais.

E, certamente, vou precisar da ajuda de parceiros para que essa ideia saia do papel e vire realidade. Já tenho apoio do representante brasileiro das câmeras GoPro que vai fornecer todo equipamento de filmagem necessário para o mapeamento do Accessibility View. Agora espero que a ideia possa ganhar o concurso do Google (estamos entre os 10 finalistas do Google Sandbox Brasil) para que esse apoio de peso atraia outras empresas para ajudar a viabilizar o projeto. 


Fonte: Galileu

Nenhum comentário:

Postar um comentário