29 de jul de 2013

Lyon 2013: Brasil se despede do mundial de atletismo paralímpico com resultado histórico

Desenho de medalhas de ouro, prata e bronze
Na competição, que durou nove dias e acabou neste domingo, 28, com a disputa da maratona, os atletas brasileiros tinham a meta de ficar em quinto lugar, com, no mínimo, 12 medalhas de ouro e 30 no total – números do último Mundial, em 2011, na Nova Zelândia. 

 Mas os 35 representantes do Brasil fizeram muito mais no Stade du Rhône, localizado no Parc Parilly, no arredores de Lyon. 

Eles conquistaram 40 medalhas, sendo 16 ouros, 10 prata e 14 bronzes*, e ainda bateram três recordes mundiais, oito do campeonato e um nacional.

 Há dois anos, em Christchurch, na Oceania, foram 30 pódios, com 12 ouros, 10 pratas e oito bronzes.


“O objetivo, realmente, era ter uma campanha superior. Mas, o mais importante, foi a revelação de jovens talentos, que já chegaram com boas atuações, e quantidade de atletas conseguindo medalhas. Isso mostra que estamos no caminho certo. 

Para começo de ciclo, é fundamental”, comentou o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Andrew Parsons.


Dos 35 atletas da delegação brasileira, 24 conquistaram medalhas, o que representa 68% do grupo. Além dos pódios esperados de nomes consagrados como Terezinha Guilhermina (três ouros), Alan Fonteles (três ouros) e  Yohansson Nascimento (um ouro, uma prata e um bronze), talentos já consolidados renasceram e outros surgiram, garantindo o futuro da Seleção Brasileira de atletismo.


Lucas Prado e Odair Santos superaram graves lesões que as incomodaram em Londres-2012 e voltaram a exibir bons resultados. O velocista Prado, prata nas Paralímpiadas do ano passado, conseguiu voltar a vencer e levou dois ouros. Já o fundista Odair se consagrou, com três primeiros lugares.


Representando a nova geração, a paulista Verônica Hipólito, de apenas 17 anos,  foi praticamente impecável no primeiro mundial da carreira. Conquistou um ouro nos 200m e uma prata nos 100m, com recorde mundial, que depois foi superado.


A paranaense Lorena Spoladore, também 17 anos, levou um ouro no salto em distância para cegos total, prova em que o Brasil ainda não tinha grandes medalhistas. Destaque também para os jovens Alex Pires, 23 (duas pratas e um bronze) e Yeltsin Jacques, 20 (uma prata e um bronze).


“Tivemos uma variação de medalhas e atletas. Hoje, temos atletas muito bons em várias provas. Não dependemos só de um. Antigamente, se alguém se machucava, ficávamos preocupados pensando no que seria. Agora, não. Temos jovens talentos medalhando, estrelas consolidadas em alta…”, afirmou Ciro Winckler, coordenador de atletismo paralímpico brasileiro. 


“Mundial é importante, mas a maior cobrança será nos Jogos do Rio de Janeiro, em 2016. A meta é ficar em quinto geral no atletismo, o que seria a melhor campanha da história do Brasil na modalidade”, disse. Em Londres-2012, o Brasil terminou em sétimo no atletismo.


Para o novo ciclo olímpico, que começou oficialmente com este Mundial de Atletismo, em Lyon, serão investidos cerca de R$ 100 milhões anuais.  


“Se compararmos com os outros Comitês, nosso orçamento está bastante alto. Vamos dar aos nossos atletas a melhor condição possível”, comentou Andrew Parsons.


O maior legado do próximos anos do CPB será a construção do centro de treinamento paralímpico em São Paulo, que irá abrigar desde dormitórios, até estrutura para o treinamento e competição de quinze modalidades. 


“A ideia é que fique pronto em 2014 e, em 2015, já possamos operar lá dentro. Vamos fazer a reta final da preparação brasileira para os Jogos do Rio de Janeiro-2016 lá”, afirmou o presidente do CPB.
 

Maratona


Na última prova com brasileiros no Mundial de Atletismo, o paulista Ezequiel Costa terminou em quarto, classe T46 (amputados membros superiores), com o tempo de 3h0min45s. Com a desclassificação do espanhol Abderrahman Ait Khamouch, Ezequiel saltou para 3º. 


A Espanha, no entanto, protestou, mas o Brasil pediu recurso e o resultado final foi homologado a favor do Brasil. O primeiro lugar ficou com o italiano Alessando di Lello (2h33min42s).


Dentre os brasileiros em Lyon, 25 participaram dos Jogos de Londres-2012, e 15 disputaram a última edição do Mundial, em 2011, em Christchurch, na Nova Zelândia. 


Este foi o maior Mundial de Atletismo organizado pelo Comitê Paralímpico Internacional (IPC na sigla em inglês). Cerca de 1300 atletas, de quase 100 países, participaram de 207 provas na competição.


A delegação do Brasil sai da França ainda neste domingo, 28, e chega em São Paulo nesta segunda-feira, 29, às 17h10, em Guarulhos, no voo AF 456, da Air France. Terezinha Guilhermina, Alan Fonteles, Ariosvaldo Silva, Claudiney Santos e Leornardo Amâncio estão em Londres para participar da comemoração de um ano dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos-2012 e chegam, também em Guarulhos, nesta segunda-feira, porém, no início da manhã, às 6h05, no voo JJ 8085, da TAM.

 
A participação do Brasil no Mundial de Atletismo foi custeada por um convênio do Ministério do Esporte com o CPB.



Nenhum comentário:

Postar um comentário