4 de abr de 2014

Museu da Imagem e do Som (MIS) de Campinas promove oficinas com acessibilidade



Entre os dias 08 de Abril a  6 de maio, o Museu da Imagem e do Som (MIS) de Campinas, recebe pessoas com deficiência visual e auditiva para a participação em oficinas, que fazem parte do projeto "Um museu feito para nós, por nós". Laboratório de fotografia, música e dança são algumas das atividades presentes nos encontros. 


Além disso, os participantes farão visitas a locais escolhidos pela organização do projeto e terão contato com a história e o acervo do Palácio dos Azulejos.
 
Foram disponibilizadas 20 vagas e as oficinas acontecem às terças e quintas-feiras, das 14h às 16h. 


Os participantes são orientados por uma equipe formada pela artista plástica Cláudia Tosi, pela intérprete de Libras, Letícia Navero, pelo ator Joaquim Andrade e pelas especialistas culturais do MIS, Flávia Lodi e Juliana Siqueira.


Para Flávia, as oficinas são de extrema importância para o público com deficiência visual. "O projeto é uma forma de tornar o museu um espaço totalmente acessível e utilizado para conhecimento e momentos de lazer. 


As oficinas são incentivo para essas pessoas adquirirem o hábito de frequentar o MIS e participar de atividades durante todo o ano", afirma.


Irinéia Fortunato Euzébio é cega e participou do segundo dia da oficina. "Poder ter contato e adquirir conhecimento por meio de cada objeto e atividade proposta é muito importante. Entender como funciona o processo de fotografia, por exemplo, é um assunto que nunca imaginei aprender e tive essa oportunidade", conta.
 

"Um museu feito para nós, por nós"


O projeto é uma parceria do MIS com o Centro Cultural Louis Braille de Campinas, realizado com recursos do Programa Ação Cultural (ProAc), do governo de São Paulo, com apoio das Secretarias Municipais de Cultura e dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida.


São R$ 100 mil repassados pelo programa, no qual serão investidos até junho deste ano, para formação da equipe do museu para a cultura da inclusão, que já está em andamento, adaptação da exposição de longa duração com sinalização em Braille, pisos táteis, maquetes táteis e disponibilização de vídeo-guias em Libras e audioguias; além da ação educativa.


A Secretaria de Cultura e também a dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de Campinas apoiam este projeto. 


A audiodescritora Bell Machado e a intérprete da lingua de sinais Josie Oliveira da SMPD, deram um curso de três dias de capacitação para os funcionários do Museu, no que se refere a Noções básicas de inclusão e acessibilidade.


Fonte:Vida Mais Livre

Nenhum comentário:

Postar um comentário