29 de jul de 2014

Jovem com deficiência aprovada em intercâmbio comemora direito de viajar com a mãe

Foto de Aline com sua mãe
"Agora, estou muito feliz. É um direito não só meu, mas de toda pessoa com deficiência que quer participar", disse a universitária Aline Santos, 20 anos, que vai poder ser acompanhada pela mãe durante o programa de intercâmbio Ciência sem Fronteiras nos Estados Unidos


Na última semana, ela obteve uma resposta positiva para o pedido que estava em análise pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), fundação do Ministério da Educação.


Aline é estudante do sexto período de biologia, da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), em Belo Horizonte


Ela tem limitações motoras causadas pela atrofia muscular progressiva tipo 2, diagnosticada na gravidez da mãe. Hoje, se locomove em uma cadeira motorizada e requer cuidados diários, como auxílio na higiene íntima, na alimentação e massagens para reduzir o risco de trombose.


No dia 15 de agosto, mãe e filha embarcam para um período de um ano e seis meses no exterior. As passagens já estão compradas.


“É uma conquista muito grande. Não só para ela, mas para outros estudantes com deficiência”, falou Rosemary Castro, 54 anos. 


A dona de casa diz que está preparada, mas com um “frio na barriga”. Ela não domina o idioma estrangeiro e vai deixar no Brasil o filho de 25 anos – que também possui a mesma deficiência – e o marido. O jovem, formado em Ciências da Computação e pós-graduando em jogos digitais, trabalha e leva uma vida mais independente.


Desde a aprovação no programa Ciência sem Fronteiras, a universitária esperava uma resposta favorável. 


De acordo com Aline, durante a inscrição, ela declarou ter uma deficiência física e, em uma das etapas, no início do ano, informou que precisava de acompanhante. Contudo, somente na quinta-feira (26), recebeu um comunicado da Capes, estendendo o financiamento da viagem também à mãe.


De acordo com a estudante, a mensagem diz que a Capes contatou o Instituto Internacional de Educação e a Universidade de Kentucky para garantir “o melhor acompanhamento e infraestrutura possíveis” durante os estudos. 


Segundo o comunicado, a mãe terá direito, durante todo o período de bolsa de intercâmbio, a passagens áreas de ida e volta, hospedagem no campus no mesmo quarto da bolsista e alimentação em plano idêntico ao da bolsista.


Nesta segunda-feira (28), a Capes informou, por meio da assessoria, que concedeu o direito a acompanhante e confirmou os benefícios oferecidos. 


Ainda segundo a fundação do Ministério da Educação, a bolsa, conforme o edital do programa, é destinada ao estudante, mas, casos excepcionais sempre foram avaliados. Todo o apoio ao bolsista no exterior é feito pelo governo brasileiro, conforme afirmou a Capes.


"Quero aproveitar o máximo, aprender muita coisa nova e depois voltar para o Brasil e aplicar o conhecimento aqui", disse Aline. 


A estudante está otimista com a possibilidade de adquirir novos conhecimentos e ter contato com uma cultura diferente. 


A qualificação no exterior faz, segundo ela, parte do sonho de se especializar em doenças degenerativas.


Fonte: G1


Nenhum comentário:

Postar um comentário