30 de jul de 2016

Confira vantagens da aposentadoria por invalidez




Os segurados do INSS que tiveram uma doença ou um acidente, ficaram incapazes de exercer qualquer atividade e precisam se aposentar por invalidez têm a possibilidade de garantir mais direitos.


Um deles é conseguir a quitação do financiamento de um imóvel em andamento pelo SFH (Sistema Financeiro de Habitação). 


De acordo com a Amspa (Associação dos Mutuários de São Paulo e Adjacências), esse direito deve constar no contrato feito por qualquer banco. 


Na Caixa Econômica Federal,  por exemplo, é assegurado ao cliente a quitação do saldo devedor até o limite de sua participação no contrato. 


De acordo com a Caixa Seguros, o mutuário deverá avisar o banco por telefone ou na própria agência. 


“O prazo para avisar o sinistro em caso de Invalidez Total e Permanente é de até 1 ano, contatados a partir da concessão do benefício”.


O advogado previdenciário Rômulo Saraiva orienta os segurados a observarem o contrato do seguro imobiliário, pois alguns deles só garante a quitação para aposentadorias por invalidez acidentária, ou seja, que tem relação com trabalho.


Outro direito garantido  para esse tipo de benefício é um adicional de 25% no valor da aposentadoria, caso o segurado comprove que precisa da ajuda de uma pessoa para realizar atividades diárias. 


Será preciso passar por perícia médica para provar a dependência. O bônus é garantido na própria agência. Para outros tipos de aposentadorias é necessário buscar a Justiça.


Além disso, os segurados ficam livres do fator previdenciário, índice usado nas aposentadorias por tempo de contribuição para reduzir o valor do benefício de quem se aposenta cedo. 


Para chegar ao valor a receber, é feita a média salarial, com os 80% maiores salários de contribuição desde julho de 1994. O resultado será o quanto terá de benefício.

Pente-fino



O governo anunciou que fará um pente fino nas aposentadorias por invalidez com mais de dois anos de concessão. Esses segurados serão convocados para passar por nova perícia. 


Para começar a valer, porém, ainda é necessário sair uma regulamentação com os detalhes de como será feita essa revisão.


A publicação deve sair no início do mês que vem. Só depois disso é que será estabelecido como os segurados serão convocados. Uma das ideias é chamá-los por cartas.

Esse tipo de benefício não é permanente, ou seja, se o segurado recuperar sua capacidade de trabalhar, a aposentadoria  é suspensa. 


Porém, quem tem 60 anos ou mais ficará livre dessa avaliação, pois há uma lei do final de 2014  que dispensa os idosos dessa reavaliação e torna o benefício permanente.



 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário