21 de ago de 2012

Cada um de nós aprende a viver com suas próprias limitações, o mais delicado (mas não impossível), é romper as barreiras atitudinais de uma sociedade que potencializa a deficiência quando não oferece inclusão de FATO.



Nenhum comentário:

Postar um comentário