30 de ago de 2012

Stephen Hawking, atletas no ar e voo de tocha abrem a Paralimpíada

Delegação brasileira na cerimônia de abertura das Paralimpíadas

A Cerimônia de Abertura dos Jogos Paralímpicos de Londres, ocorrida nesta quarta-feira (29/08), emocionou e surpreendeu o público presente no Estádio Olímpico. 

Sob os olhares de 62 mil torcedores e de toda a realeza britânica, a abertura da Paralimpíada teve como grande destaque a presença do cientista inglês Stephen Hawking, que funcionou como narrador no centro do gramado durante todo o evento, além do levantamento de atletas no ar e da chegada da tocha pelo céu.

No discurso que abriu os festejos, após a tradicional contagem regressiva e de um avião sobrevoar o 
 Estádio Olímpico soltando faísca pelas asas, Hawking, um dos mais renomados cientistas do mundo atual e com deficiência por uma esclerose lateral amiotrófica, pediu ao mundo para olhar "mais para as estrelas e menos para os pés".

"Tente fazer sentido do que você vê e se pergunte sobre o que faz o universo existir. Seja curioso", afirmou Hawking. Logo na sequência, foi simulado o "Big Bang", teoria que muitos cientistas dizem ter dado surgimento ao universo, com o som de Umbrella, da cantora Rihanna.
 
Imenso olho é feito no Estádio

Logo no início da cerimônia, diversos participantes entraram no centro do estádio para simular um grande olho no centro do gramado. Os cílios foram representados por guarda-chuvas, carregados pelos dançarinos. No momento seguinte foi a vez da entrada do ator Ian McKellen, famoso pelo papel de Gandalf em "O Senhor dos Anéis", que falou sobre os valores da competição que tem início nesta quinta-feira (30/08).
 
Rainha marca presença

Na sequência do evento, um coral de 442 integrantes, incluindo cadeirantes, emocionou o Estádio Olímpico. A Cerimônia de Abertura prosseguiu com a anunciação da entrada da Rainha Elizabeth II ao lado de seu marido.

 Além da grande comandante do País, o príncipe William e a duquesa Kate Middleton também compareceram ao evento, assim como o príncipe Harry. A entrada da realeza coincidiu com a da bandeira do Reino Unido, que foi levada por membros das Forças Armadas para a execução do hino nacional britânico.

Logo após a entoação de God Save the Queen, um vídeo foi apresentado com imagens da evolução da Paralimpíada a partir dos primórdios, em 1948. Na época, o neurologista alemão de origem judia 
 Ludwig Guttmann realizou a primeira competição incluindo apenas atletas com deficiências, dando origem 
aos Jogos Paralímpicos atuais.
 
Brasil se apresenta com festa e muitos sorrisos

Com o nadador Daniel Dias de porta-bandeira, a delegação brasileira adentrou o Estádio Olímpico, esbanjando sorrisos e animação. Com a mesma roupa da cerimônia olímpica - calças verdes ou amarelas, terno e cachecol com as cores nacionais -, a delegação brasileira ficou marcada pela grande quantidade de pessoas no desfile. Entre os atletas nacionais, alguns iam além da grande animação e se destacavam com rostos pintados com as cores da bandeira do Brasil.
 
Britânicos são ovacionados no encerramento do desfile

Os mesmos sorrisos e prazer em estar participando do evento foram vistos em outras delegações além da brasileira. Em alguns casos, cadeirantes até arriscavam se locomover de ré, atraindo olhares dos torcedores e das câmeras. A cada presença de uma cinegrafista, os esportistas logo se animavam e mandavam recados para a família. Todo o desfile foi comandado por uma DJ, que colocava grandes hits diretamente do centro do estádio.

A delegação mais ovacionada pelo público, claro, não poderia ser outra: a Grã-Bretanha, última a entrar no Estádio Olímpico com a canção Heroes, de David Bowie

Com uma chuva de papéis picados e novamente rostos de atletas pintados, os esportistas se emocionaram com a reação do público na entrada. Outro país que foi bastante aclamado pelos presentes foi a África do Sul, que contou com o atleta Oscar Pistorius, maior astro desta edição dos Jogos Paralímpicos, como porta-bandeira.
 
Rainha declara Jogos Paralímpicos abertos

Após discursos entusiasmados dos presidentes do Comitê Olímpico Britânico, Sir Seb Coe, e do Comitê Paralímpico Internacional (IPC, na sigla em inglês)Site externo., a Rainha Elizabeth II foi anunciada e declarou oficialmente que os Jogos Paralímpicos de Londres 2012 estavam abertos. A declaração da autoridade máxima britânica foi seguida por muitos aplausos e queima de fogos.

No discurso precedente ao da rainha, o britânico Seb Coe deu as boas vindas aos atletas e autoridades, dando enfoque ao pioneirismo do Reino Unido, que iniciou o movimento paralímpico, em 1948. O sentimento do dirigente para o sucesso do evento foi de confiança: "nós estamos prontos, os estádios estão prontos, as pessoas da Grã-Bretanha estão prontas e os atletas estão prontos. Preparem-se para se sentir inspirados e sensibilizados".

Já Philip Craven, presidente do IPC, também destacou a preparação do Reino Unido. "Este país tem um apetite por esportes, Londres 2012 fez um trabalho incrível em fazer todos sentirem que estes são seus Jogos. Hoje é o início de algo extremamente especial, se trata de dar boas vindas ao mundo aos Jogos globais. Um momento em que sentiremos emoções que nunca imaginamos ser possível", declarou.
Atletas paralímpicos "voam" sobre o estádio

Logo depois da entrada da bandeira paralímpica e da entoação do hino dos Jogos, o espetáculo teatral voltou a emocionar os torcedores.

 A figura de Miranda, cadeirante guiada por Ian McKellen e que era personagem central da história, reapareceu em uma biblioteca, descobrindo a importância dos livros. No momento seguinte, atletas paralímpicos foram içados no Estádio Olímpico, e Miranda, maravilhada, começou a observar tudo a bordo de um barco em forma de guarda-chuva. Entre as cenas, apresentações musicais davam um toque especial para a abertura.
 
Isaac Newton, milhares de maçãs e reaparição de Stephen Hawking

Na continuação da abertura, Isaac Mewton foi lembrado, quando Miranda passou a entender as leis criadas pelo cientista britânico. Com muitos símbolos de Newton no palco, em especial maçãs, incluindo uma gigante de ouro, o locutor anunciou: "preparem suas maçãs". Após uma contagem regressiva, o público, que recebeu 62 mil maçãs, passou a morder a fruta, assim como Miranda no palco. Dançarinos mostravam um mundo gravitacional, grande descobrimento de Newton.

A sequência teve Ian McKellen guiando Miranda pela "maior aventura de sua vida". Em um fim que emocionou os espectadores, ambos partiram para o último passo. Stephen Hawking reapareceu para falar sobre a máquina que simula o Big Bang e que promete "mudar os pensamentos do mundo". A música eletrônica britânica passou, então, a reger o público, atletas e dançarinos.
 
Tocha é acesa após "quase atraso"

Para fechar, Miranda foi levantada no estádio por duas cordas. A cena foi cortada para um filme mostrando a jornada da Tocha Paralímpica. Na volta ao estádio, Stephen Hawking, que não saiu do palco central durante todo o evento, atuando como narrador da abertura, deu um discurso inspirador, exaltando a superação de dificuldades.

A Tocha Paralímpica finalmente chegou ao estádio no fim do evento, depois de sofrer um quase atraso e ficar perto de não entrar em Londres a tempo. O símbolo maior dos Jogos chegou pelos ares nas mãos do soldado ferido no Iraque e aspirante a atleta Joe Townsend.

Towsend, que deve estar no Rio 2016, passou o objeto para David Clarke, cego que competirá na edição deste ano dos Jogos, que por sua vez o entregou para a ex-esportista Margaret Maughan, primeira medalhista de ouro da Grã-Bretanha em uma edição de Jogos Paralímpicos, responsável por acender a Pira Paralímpica sob uma chuva de aplausos.

Acompanhada de uma grande queima de fogos que iluminou a noite londrina, a música tema dos Jogos Paralímpicos, I Am What I Am (Eu sou o que sou, em tradição livre), foi cantada pelas cantoras Beverley Knight, Lizzie Emeh e Caroline Parker para encerrar a cerimônia após três horas e 40 minutos, abrindo a Paralimpíada de 2012.

Fonte: Terra (Danilo Vital)

Nenhum comentário:

Postar um comentário