31 de ago de 2013

Brasília Tátil inclui deficientes visuais no turismo do DF

Símbolo que representa pessoa com deficiência visual
O acervo artístico dos monumentos de Brasília (DF) também encanta pelo toque. 


Por meio do projeto Brasília Tátil, dezenas de deficientes visuais e pessoas que convivem com indivíduos de pouca ou nenhuma visão podem participar das atividades turísticas da Capital Federal e aproveitar a cidade.


No projeto, os participantes vivenciam aspectos paisagísticos, urbanísticos, arquitetônicos e artísticos de Brasília sob novas perspectivas relacionadas às artes visuais, que contempla monumentos e espaços culturais da cidade, como o Museu Vivo da Memória Candanga, o Espaço Lúcio Costa, o Panteão da Pátria, o Congresso Nacional e o Palácio do Itamaraty.


Para aperfeiçoar o passeio e difundir as informações corretas de como lidar com este público, a equipe do Brasília Tátil coordena minicursos de um dia de duração, que incluem noções de acessibilidade focada na orientação e mobilidade técnica do guia vidente e audiodescrição, além de boas práticas de atendimento e relacionamento específico para pessoas com este tipo de deficiência.


"Na primeira etapa do projeto educativo, atendemos aproximadamente 40 professores de escolas inclusivas do DF com e sem deficiência visual. 


Também atendemos 2 turmas de adultos de algumas escolas públicas do Distrito Federal- em Sobradinho e São Sebastião - que tinham alunos com deficiência visual. Eram voluntários ligados a pessoas com deficiência visual", contabilizou o coordenador geral do projeto, César Achkar Magalhães.


A última aula aconteceu no início deste mês, quando foram capacitadas cerca de 40 pessoas entre arte-educadores e mediadores do espaço cultural ou turístico de Brasília. "Não havíamos pensado em abrir novas turmas, mas existe a possibilidade fora do projeto", disse o coordenador.


Nenhum comentário:

Postar um comentário